Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Baixo Guandu praticamente zera casos de dengue, mas Saúde alerta para cuidados agora com as chuvas

De janeiro de 2018 até a semana passada, Baixo Guandu registrou apenas 6 notificações de dengue, com um único caso confirmado. O resultado é extraordinário e reflete uma série de ações que a Vigilância em Saúde tem feito no município, bem como o auxílio da população em evitar especialmente em seus quintais qualquer recipiente com água parada.
 
A Vigilância adverte, no entanto, que agora é hora de intensificar o trabalho de prevenção, especialmente com as chuvas que voltaram a cair com bastante intensidade em todo o município.
 
Na última sexta-feira a secretária de Saúde Lucineia Seibel Storch teve uma reunião com o chefe da Vigilância, Azemar de Carvalho, quando foi divulgado o balanço altamente positivo da dengue em Baixo Guandu.
 
Ambos alertaram, no entanto, que o fato da dengue estar praticamente zerada no município não significa que a população está livre da doença. O mosquito aedes aegypti é resistente e os ovos da fêmea sobrevivem meses durante a seca, para eclodir assim que as chuvas voltem a acontecer.
 
Lembrando que o mosquito transmite ainda a zika e a chikungunya, outras doenças que podem trazer consequências graves e até levar à morte, o chefe da Vigilância em Saúde destacou a importância de todos ficarem alertas no trabalho de prevenção agora que as chuvas voltaram com intensidade em Baixo Guandu.
 
“As recomendações continuam aqueles que todos conhecem: manter as caixas dágua vedadas, limpar as calhas das residências e observar qualquer recipiente que acumule água, como pneus, garrafas, tampinhas, pratos e vasos de planta, entre outros. É nesta água parada que o mosquito se desenvolve”, explicou Azemar.
 
O chefe da Vigilância explicou que foram espalhadas 99 armadilhas em pontos de Baixo Guandu, visando identificar em quais bairros a presença do aedes aegypti é mais intensa. Este programa é desenvolvido em parceria com o Governo do Estado e permite monitorar o mosquito, garantindo ações mais objetivas de combate ao transmissor da dengue, da zika e chikungunya.

“Tudo isso ajuda no combate ao mosquito, mas a participação da população é fundamental. Se cada um fizer a sua parte, continuaremos a ter o ótimo resultado de 2018, quando a dengue praticamente zerou e não houve registro de zica nem de chikungunya”, finalizou Azemar de Carvalho.

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content