Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Hoje e amanhã tem Tributo ao Rio Doce: Zé Geraldo e 5 bandas vão garantir o show na praça São Pedro

Baixo Guandu vai reviver hoje (16/11) e amanhã, com shows de 5 bandas, do cantor Zé Geraldo e apresentação teatral na Praça São Pedro, os 3 anos do desastre ambiental da Samarco, que despejou milhões de toneladas de lama tóxica no rio Doce.
 
Hoje a programação prevê, a partir das 21 horas, peça teatral do grupo Boyasha, com o tema “A Árvore”. Às 22 horas show com a banda Tropical Crowd (Rappa Cover) e às 23h30, banda Via Marte. Amanhã, sábado, será a vez das bandas Notícias de Ontem, às 22 horas show com o cantor Zé Geraldo, uma atração nacional que desperta atenção especialmente pela luta do artista pelo rio Doce, reverenciado em suas canções, e a programação termina com a banda Beat Locks (Tributo a Charlie Brown Jr).
 
O “Tributo ao rio Doce” é um grito de socorro à maior tragédia ambiental da história do país, procurando manter viva a luta de toda a população em busca da reparação das graves consequências socioeconômicas que impactaram dezenas de municípios mineiros e capixabas, entre eles Baixo Guandu.
Organizado pela Prefeitura de Baixo Guandu, o “Tributo ao Rio Doce” quer manter acesa a chama da conscientização ambiental e da necessidade da recuperação do nosso mais importante manancial.
 
O prefeito Neto Barros é enfático ao dizer que não podemos nunca deixar a tragédia da Samarco cair no esquecimento. “São decorridos 3 anos da tragédia da Samarco e ainda estamos buscando respostas à reparação dos danos ambientais e sociais”, afirma o prefeito Neto Barros, que representa os municípios capixabas no Comitê Interfederativo (CIF), criado pelo Ibama para acompanhar o processo de reparação dos danos do rompimento da barragem de Mariana, através da Fundação Renova.
 
Neto Barros virou alvo da imprensa nacional e internacional em 2015, porque foi o primeiro agente público a denunciar a gravidade do rompimento da barragem de Mariana, até então tratado como uma ocorrência sem maiores consequências.
 
A previsão do prefeito de Baixo Guandu se confirmaria com o avanço da lama em direção ao mar, trazendo consigo um rastro de destruição, mortes, aniquilação da fauna e flora e danos às atividades laborais de milhares de pessoas. A tragédia da Samarco é considerada hoje o maior desastre ambiental da história do país.
 
O rompimento da barragem de Mariana aconteceu em 5 de novembro de 2015. Dez dias depois a lama já dava sinais nas águas do rio Doce em Baixo Guandu, chegando em definitivo nos dias 16 e 17 de novembro, prosseguindo em direção ao mar no município de Linhares.
 
Exatamente 3 anos depois da tragédia, o “Tributo ao rio Doce”na praça São Pedro, hoje e amanhã, quer manter a luta pela reparação dos danos que a Samarco e suas controladoras, a Vale e a BHP, causaram a dezenas de municípios e milhares de pessoas.

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
Skip to content