Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Mais 13 contratos para construção de habitações rurais assinados nesta quinta (16)

A Prefeitura de Baixo Guandu, em parceira com a Caixa Econômica Federal, Governo Federal, e Governo do Estado, assinou na manhã desta quinta-feira (16), mais 13 contratos do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) com famílias de agricultores e trabalhadores rurais. Serão beneficiados moradores do distrito de Vila Nova do Bananal/ Lagoa Preta, Alto Lage/ Monjolo e das comunidades de Queixada e Barra de Santa Rosa. As casas serão construídas em alvenaria, com área total de 90,15m², e custo de R$ 37,5 mil cada. O prazo para a execução das obras é de 12 meses.

De acordo com o prefeito de Baixo Guandu Neto Barros a sinergia entre o poder público e a sociedade civil organizada, por meio de uma política habitacional criada exclusivamente para o campo, possibilita a garantia de uma moradia mais digna, segurança e bem estar às famílias de Baixo Guandu. "É a resposta das ações voltadas para melhorar as condições de vida daqueles que vivem no campo. Com mais essas assinaturas, somadas as 27 da última quinta-feira (09), os investimentos chegam a R$ 1,5 milhão”.

O evento foi realizado no Salão Paroquial da Igreja Católica, no Centro. Participaram o prefeito Neto Barros, os secretários de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente, Rubens Magalhães e Lourival Demuner, representantes do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), da Associação dos Pequenos Agricultores do Espírito Santo (Apagees) e do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), além da Caixa Econômica Federal e dos moradores de Baixo Guandu, representado pelo munícipe Celso Helmer.

Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR)

O PNHR, parte integrante do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), foi criado pela necessidade de uma política habitacional que atendesse às especificidades da moradia no campo, onde as diferenças em relação ao meio urbano – como cultura, forma de remuneração, gleba de terra e logística para construção – passaram a ser consideradas nos programas de moradia para a população do meio rural.

A participação das cooperativas e entidades é fundamental dentro do PNHR. Elas são as organizadoras do programa e responsáveis, entre outras coisas, pela seleção das famílias e pela prestação de assistência social a esses grupos. Nesta assinatura, a Associação dos Pequenos Agricultores do Espírito Santo (Apagees), em conjunto com o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), é a entidade organizadora.

Enquadram-se no PNHR os agricultores familiares e trabalhadores rurais, além de pescadores artesanais, extrativistas, aquicultores, maricultores, piscicultores, ribeirinhos, comunidades quilombolas, povos indígenas e demais comunidades tradicionais.

Informações à Imprensa
Assessoria de Comunicação PMBG
Eduardo Candeias
Fabiano Damasceno
noticia@pmbg.es.gov.br
(27) 3732-8914
Texto: Eduardo Candeias
Foto: Jander da Silva

 

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
Skip to content