Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Precatórios: recursos que poucos recebem fazem falta para toda a população

Em todo o Brasil, União, Estados e Municípios têm de arcar com o pagamento dos chamados precatórios, que são dívidas originadas de processos judiciais onde o demandante, aquele que processa o  poder público, tem direito a ser indenizado.

Em tese o pagamento de precatórios não prejudica a execução do Orçamento por parte do município, por exemplo, já que ele é incluído no exercício do ano seguinte pelo Tribunal de Justiça (TJ), dando oportunidade de a administração municipal saber, com antecedência, o quanto pagará de indenização.

Na prática, porém, não é bem assim, porque são recursos próprios da municipalidade, e que fazem falta no investimento em obras e serviços de melhorias para a população. Em dois anos, a Prefeitura de Baixo Guandu já pagou mais de R$ 2 milhões em precatórios, dívidas criadas no passado, mas que só passaram a ser pagas a partir de 2013.

Em 2014, um total de 17 beneficiários que acionaram o poder público municipal na Justiça antes de 2013 receberam verbas de precatórios da PMBG; destes, sete são de pessoas jurídicas.

Anteriormente, nenhuma outra gestão municipal de Baixo Guandu honrou esses compromissos com a Justiça, mas a atual administração vem saneando essas dívidas justamente para que, como anteriormente, milhões de reais não se acumulem e acabem prejudicando as futuras administrações.

“São recursos que fazem falta para qualquer município de pequeno porte, como o nosso”, avalia o prefeito Neto Barros, lembrando que o valor pago em precatórios no ano passado seria suficiente para pagar a construção de praças, escolas, quadras poliesportivas, postos de saúde e investimentos em infraestrutura urbana e rural, por exemplo.  

 

 Informações à Imprensa

Assessoria de Comunicação PMBG
noticia@pmbg.es.gov.br

(27) 3732-8914 

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.