Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

2ª Ação de Coleta de Sangue contra Leishmaniose Visceral

Campanha

Entre os dias 03 e 04 de agosto, a Prefeitura de Baixo Guandu, através da Secretaria Municipal de Saúde (Vigilância Ambiental) estará realizando uma Ação de Coleta de Sangue em cães no bairro Rosário I. A campanha acontecerá próxima ao colégio João XXIII, das 8 às 16h durante os dois dias.

Leve seu cão e faça o teste que é rápido. "Serão realizadas as coletas de sangue dos animais para análise das amostras e triagem. É realizado um teste rápido do sangue e quando reativo, a amostra é enviada para Laboratório Central do Estado (LACEN), e são tomadas as providências necessárias”, disse Welmer Zahn, coordenador da Vigilância Ambiental.

A leishmaniose visceral, conhecida como calazar, é transmitida pelo mosquito-palha ou birigui (Lutzomyia longipalpis). O mosquito vive em ambientes escuros, úmidos e com acúmulo de lixo orgânico. Nos centros urbanos a potencialidade de transmissão é maior por causa do número de cães.

Sintomas nos cães:

Apatia, lesões de pele, quedas de pêlos, emagrecimento, olhos lacrimejantes, crescimento anormal das unhas e inchaço no abdômen.

 

Sintomas nos humanos:

Febre de longa duração

Fraqueza

Perda de apetite

Emagrecimento

Palidez

Anemia

Aumento do baço e do fígado

Diarreia

A doença também pode trazer comprometimento da medula óssea, problemas respiratórios e sangramentos na boca e nos intestinos. A Leishmaniose Visceral pode levar a perda de órgãos, cegueira e morte quando existe a demora no diagnóstico.

 

Medidas de prevenção

Existem algumas medidas que podem ajudar a prevenir a doença, como usar repelentes quando estiver em região com casos de leishmaniose visceral, armazenar adequadamente o lixo orgânico. Essas são algumas medidas individuais que podem diminuir a possibilidade de contágio.

Além disso, são necessários outros cuidados como manter a casa e quintal limpos. Colocar telas nas janelas, deixar o lixo embalado e cuidar do cão para que não contraia a doença. Outra dica para que seu cão possa ficar protegido em áreas que contém casos de Leishmaniose é o uso de repelentes próprios para animais.

E lembre-se, caso perceba esses sintomas em seu animal procure o veterinário, e se esses sintomas surgirem em você ou alguém da família, procure um médico e comunique o fato ao Núcleo de Vigilância Ambiental através do telefone: (27) 3732-3248.

 

Assessoria de Comunicação – PMBG

Elaine Zambon

noticia@pmbg.es.gov.br

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.