Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Médico veterinário do município cria protótipo de armadilha solar para captura de insetos

Médico veterinário Gabriel Barbosa Holz, de 28 anos, apresentando o protótipo para a Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo. Foto Reprodução.

O médico veterinário Gabriel Barbosa Holz, de 28 anos, apresentou para a equipe técnica de referência do agravo de Leishmaniose da SESA – Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo, a planta do protótipo de Armadilha Reciclável de Energia Renovável desenvolvido na Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ) de Baixo Guandu.

De acordo com Gabriel, o desenvolvimento da armadilha para captura do mosquito Asa de Palha, transmissor da leishmaniose, surgiu da necessidade de aquisição de armadilhas mais eficientes com custo menos oneroso para o município, sendo que, atualmente armadilhas para esse fim chega a custar mais de mil reais.

“Seria necessária a aquisição de muitas armadilhas para monitorar todos os pontos necessários no município sendo inviável pelo alto custo de investimento e manutenção. Com o protótipo que atualmente estamos desenvolvendo, a partir de materiais recicláveis e energia solar, conseguimos reduzir consideravelmente o custo de aquisição e manutenção das armadilhas”, enfatizou o médico veterinário Gabriel.

Foram criados 8 protótipos com uso de coolers de computador e materiais pet, até que se chegasse ao projeto atual que além de utilizar materiais recicláveis tem sua fonte de energia através de uma placa de energia solar. A armadilha passou por testes de eficiência dentro da Unidade de Vigilância de Zoonoses, para verificar a capacidade de duração e sucção de insetos, sendo aprovada para testes em campo. “O diferencial da nossa armadilha é a fonte de energia solar, que foi uma ideia do Médico Veterinário do Núcleo de Vigilância em Saúde da Superintendência Regional de Saúde de Colatina, Augusto Marchon Zago”, destacou Gabriel.

Após a apresentação a referência do agravo de Leishmaniose da SESA, o protótipo começará a ser testado em campo nos bairros com maior incidência da doença. Com os dados obtidos a partir da captura do mosquito Asa de Palha ou Aedes Aegypti, por exemplo, será possível através de estudo determinar a curva de incidência, ou seja, em qual época do ano há maior reprodução do inseto, tornando mais previsível e eficaz o combate com o uso de inseticida dentre outros meios.

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
Skip to content