Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Comissão municipal dos atingidos pela Samarco promove passeata amanhã em Guandu

Perto de completar 3 anos da tragédia da Samarco, que despejou milhões de toneladas de lama tóxica no rio Doce, a comissão municipal dos atingidos pelo desastre ambiental organizou e vai realizar amanhã (01/11), em Baixo Guandu, uma grande manifestação.
 
Com concentração marcada para as 7 horas na praça São Pedro, a passeata vai ter início às 8 horas, com faixas, cartazes e flores, prosseguindo pela avenida Carlos de Medeiros até a ponte Mauá. São esperadas mais de 1000 pessoas na manifestação.
 
A presidente da comissão municipal dos atingidos, Lucilene Angélica Soares Boskyvisky, explicou que durante as ultimas duas semanas uma série de reuniões foram realizadas em comunidades de Baixo Guandu, sensibilizando a população a participar da manifestação.
 
“Queremos mostrar toda a nossa indignação com a tragédia da Samarco, conscientizando a população para lutar pelos seus direitos”, explicou a presidente da comissão, que aponta uma série de impactos causados em Baixo Guandu que não foram reparados pelos responsáveis pela tragédia, incluindo a Vale e a multinacional BHP.
 
Lucilene acentua que a reparação dos danos causados pelo desastre ambiental é muito tímida diante da gravidade do rompimento da barragem de Mariana, ocorrida em novembro de 2015.
 
“Tivemos consequências muito graves em Baixo Guandu, com perda de empregos e renda, dúvidas com relação à água que é consumida pela população, surgimento de doenças cutâneas e uma série de outros impactos na vida das pessoas e no meio ambiente”, disse a presidente da comissão.
 
Lucilene Angélica explicou que este movimento municipal começou com a mobilização da Associação dos Artesãos de Baixo Guandu, cujos membros também foram diretamente afetados em suas atividades pela lama da Samarco e nunca tiveram qualquer tipo de compensação.
 
“Mas nossa luta é pelo conjunto dos impactados, que na realidade é toda a população de Baixo Guandu. Queremos que seja feita justiça por todos os males causados pela Samarco”, explicou a presidente da comissão, cujos membros fizeram na semana passada  uma visita de cortesia ao prefeito Neto Barros, explicando as razões da manifestação marcada para amanhã.
 
Outras manifestações estão marcadas para várias cidades ribeirinhas no Espírito Santo e Minas Gerais, durante as próximas semanas, com o tema “Luto pelo rio Doce”, entendendo-se que este “luto” é do verbo lutar.
 
A presidente da comissão municipal informou que representantes de várias cidades ao longo do rio Doce estarão também na manifestação de amanhã em Baixo Guandu. E a intenção, segundo ela, é retribuir o apoio e presença nas manifestações em todas as cidades que estão organizando o movimento.


Parte da comissão dos atingidos esteve no gabinete do prefeito Neto Barros conversando sobre a manifestação


Lama do rio Doce chegando a Baixo Guandu: a tragédia ambiental aconteceu em novembro de 2015

 

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.