Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Hoje tem teatro na Praça do Jardim com o grupo Boyásha e programação segue até na quarta

A Praça Getúlio Vargas (do Jardim) vai ser palco hoje (24/02) à noite, a partir das 20 horas, da segunda apresentação na cidade da peça teatral “A Charanga dos Proscritos”, apresentada pelo grupo capixaba Boyásha. 
 
Ontem a peça já foi apresentada na Praça São Pedro, com boa presença de público, e quem nunca assistiu uma peça teatral vai ter a oportunidade de viver este espetáculo da Cultura até na próxima quarta-feira.
 
Hoje a apresentação acontece às 20 horas na Praça do Jardim e amanhã (dia 25), terça-feira (26) e quarta-feira (27), duas sessões diárias vão ser destinadas a um público específico: as escolas de ensino médio, com os seguintes locais e horários:
 
• 25/02 – Escola Viva: 15h40
• 25/02 – Colégio Estadual: 20h00

• 26/02 – Colégio Estadual: 8h

• 26/02 – Escola Polivalente: 20h

• 27/02 – Colégio Estadual: 8h
• 27/02 – Colégio Estadual: 14h
 
Quem trouxe a peça a Baixo Guandu foi a Secretaria Municipal de Cultura, que pretende com a iniciativa aproximar os guanduenses deste mundo pouco conhecido da arte, que é o teatro.
 
Processo Criativo
Criado a partir de um processo de residência artística dirigido e orientado por Fernando Yamamoto (Natal-RN), Márcio Marciano (João Pessoa-PB), Babaya (Belo Horizonte-MG) e Paula Queiroz (Natal-RN), o espetáculo “A Charanga dos Proscritos” parte da análise do Brasil pós-golpe de 2016 e da pesquisa sobre a obra “A Revolução dos Bichos”, concebido por um dos mais influentes escritores do século XX – George Orwell – onde o autor discute as relações de poder em regimes opressores, através da operação de mecanismos de alienação e de manipulação da população. 
 
Nas palavras do dramaturgo Márcio Marciano, “O trabalho é o tipo de material que permite leituras muito atuais e possibilita fazer infinitos links com o que está acontecendo no Brasil, é um texto atualíssimo. Em um mundo de relações totalmente tomadas pelo totalitarismo e por atitudes fascistas, é muito necessário falar sobre o que está acontecendo a partir dessa perspectiva do autor. Nosso atual contexto dialoga diretamente com a fábula do Orwell. 
 
Quinta montagem da Boyásha, o espetáculo marca os dez anos de trajetória do grupo, e conta com o patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo / FUNCULTURA, e apoio institucional da Prefeitura Municipal de Baixo Guandu-ES.
 
Grupo Boyáscha
Nascida em março de 2009, a Boyásha é um grupo de teatro que se destaca na cena teatral capixaba principalmente pelo seu trabalho continuado de pesquisa e investigação cênica, onde o intercâmbio com grupos nacionais, a ação musical no corpo e na cena, e a busca por um teatro que provoque o pensamento humano figuram como suas principais alavancas e pontos de apoio. 
Completando neste ano seus 10 anos de estrada, Boyásha já se apresentou em boa parte do território nacional. 
 
Desde fevereiro de 2016, a Boyásha reside em um sítio no município de Santa Maria de Jetibá, o “Acampamento Boyásha”, que tem se tornado um centro de referência na pesquisa teatral no interior do estado, recebendo grupos e artistas para encontros e processos de pesquisa. 

No dialeto cigano, a locução “Boyásha” assinala os Ciganos do Circo. Povo inquieto que faz da estrada o seu instrumento, e não seu veículo. E, se uma única palavra pudesse encerrar a personalidade deste grupo, a palavra seria “inquietude”.

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
Skip to content