Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Neto visita áreas devastadas pela lama em Minas e reitera urgência na reparação aos atingidos

O prefeito Neto Barros passou 4 dias em Minas Gerais, na semana passada, participando de mais uma reunião do Comitê Interfederativo (CIF), no qual representa o Estado. Em Minas ele manteve também   encontro com a direção da Fundação Renova, além de visitar áreas devastadas pela lama da Samarco em 2015, naquela que foi considerada a maior tragédia ambiental do país na área da mineração.
 
A agenda do prefeito de Baixo Guandu já começou na última terça-feira (19/11) de maneira tensa, com o protesto de Neto Barros contra a decisão da Fundação Renova em não mais participar das reuniões do CIF, alegando sentir-se intimidada pelos atingidos.
 
Na própria reunião do CIF, realizada em Mariana (MG),  Neto Barros externou sua indignação com a atitude da Fundação Renova, que já o ameaçou de processo judicial, no começo de 2019, em função da atitude firme de cobrança do prefeito guanduense pela rapidez na reparação aos milhões de atingidos pelo desastre ambiental de responsabilidade  da Samarco e suas controladoras, BHP Billiton e Vale.
 
No transcorrer da reunião do CIF, na semana passada, Neto não mediu a indignação com a decisão da Fundação Renova se ausentar destes encontros. “A atitude da Renova, criada exatamente para solucionar o crime ambiental da Samarco e devolver o equilíbrio ecológico causado aos estados de Minas e Espírito Santo, é um verdadeiro absurdo”, relatou Neto Barros, que cobra agilidade do órgão na reparação às comunidades e pessoas atingidas, entre elas Baixo Guandu.
 
Encontro
O protesto na reunião do CIF, realizada na terça-feira dia 19/11, não impediu que o prefeito Neto e uma comitiva guanduense participassem, na quarta e quinta-feira, de uma reunião com dirigentes da Fundação Renova e visitas técnicas às áreas devastadas pelo desastre ambiental, como os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, que ficaram devastadas pela lama, com registro de 19 mortes.
 
Esta viagem a Minas Gerais aconteceu a convite da Fundação Renova e envolveu ainda a presença dos prefeitos de Mariana (Duarte Gonçalves Júnior) e Rio Doce (Silvério Joaquim Aparecido da Luz), outros dois municípios gravemente afetados pela tragédia da Samarco.
 
Acompanharam o prefeito Neto Barros a Minas Gerais o secretário de Meio Ambiente Allony Torres, o representante da Secretaria de Comunicação André Schneider e representando a Câmara Municipal, o presidente, vereador Wilton Minarini e o assessor técnico Lucas Monteiro.

Nos três dias de intensa atividade na visita à região de Mariana, o prefeito Neto Barros e comitiva mantiveram encontro com a direção da Fundação Renova, quando foram levados, além de uma série de reivindicações já em andamento, novos pleitos  para o município.
 
Entre eles, o asfaltamento da estrada para o Monjolo (uma forma de dinamizar a economia através do turismo); assistência técnica aos produtores rurais locais; recursos para o Cine Alba e o Casarão da Madame; obtenção de meios tecnológicos para o SAAE monitorar com mais eficiência  a qualidade da água do rio Doce e também  recursos para construção de uma adutora que sirva de opção para o abastecimento da cidade, com captação da água no rio Manhuaçu.

O prefeito Neto mais uma vez reiterou, na reunião com a Fundação Renova, a necessidade de pressa no atendimento às reivindicações de Baixo Guandu, destacando especialmente as obras e serviços onde o bem coletivo é a motivação maior. Neto Barros considera e já deixou claro isto à Fundação Renova, que todos os habitantes foram diretamente impactados pela tragédia, carecendo inclusive de uma indenização pessoal.
 
Da direção da Fundação Renova, o prefeito Neto Barros e demais visitantes receberam relatórios detalhando as ações de reparação já realizadas em Baixo Guandu e uma revista explicando o que foi e está sendo feito ao longo da trajetória da lama, que atingiu 39 municípios em Minas e Espírito Santo, num trajeto de 670 quilômetros.
 
“Aceitei o convite da Fundação Renova em conhecer de perto as ações de reparação, porém reiteramos uma série de outros pleitos de Baixo Guandu que precisam de mais atenção e pressa neste processo de recuperação ambiental e econômico da nossa região”, explicou o prefeito Neto Barros.


Na reunião com a direção da Fundação Renova, o prefeito de Baixo Guandu levou uma série de reivindicações do município e pediu pressa na reparação aos atingitos pela tragédia


Neto visitou locais tomados pelos rejeitos da lama da Samarco, que ainda mantém as marcas da lama da tragédia de 2015


Engenheiros mostram o projeto da construção do novo distrito de Bento Rodrigues aos prefeitos Neto Barros (Baixo Guandu), Silvério Joaquim Aparecido da Luz (Rio Doce) e Duarte Gonçalves Júnior (Mariana) 



Obras da construção do novo Bento Rodrigues terá custo inicial de R$ 600 milhões

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish
Skip to content