Skip to content Skip to left sidebar Skip to footer

Cidade suspende alerta com as cheias, mas permanece atenta para chuvas de fevereiro

A Defesa Civil de Baixo Guandu suspendeu os alertas que fez durante o período crítico das chuvas que atingiram o município nos últimos dias. O rio Guandu desde segunda-feira não oferece riscos e na manhã de hoje (30/01) o rio Doce continuava baixando, deixando de representar risco para moradores das partes baixas do bairro Mauá e adjacências.
 
O coordenador da Defesa Civil, Sandro Brandião, explicou que a situação é de tranquilidade em todo o município, porém o órgão vai se manter de prontidão, tendo em vista que os institutos de meteorologia estão prevendo novas chuvas fortes na região durante o mês de fevereiro.

“Os meteorologistas já haviam previsto estas chuvas fortes em janeiro, o que se confirmou, razão pela qual devemos estar atentos para o mês de fevereiro”, explicou o coordenador da Defesa Civil.

No Espírito Santo mais de 10 mil pessoas permanecem   desalojadas em vários municípios do Sul do Estado, região mais atingida do Estado, com registro de 10 mortes. Cinco municípios declararam calamidade pública e a recuperação dos prejuízos deve custar cerca de R$ 500 milhões, segundo estimativa do governador Renato Casagrande.
 
Em Baixo Guandu
No mês de janeiro choveu até hoje (30/01) 263,9 mm em Baixo Guandu, segundo a medição do escritório local do INCAPER, sendo que a média histórica para o mês  é de 198mm. Outros medidores particulares apontaram pouco mais de 300mm desde o dia 01 de janeiro.

O prefeito Neto Barros disse ontem que o município suportou bem as cheias, sem registros de natureza grave, mas ele decidiu cancelar uma festa de pré-carnaval que estava prevista para o próximo final de semana, dias 7 e 8 de fevereiro, em solidariedade às vitimas das chuvas que castigaram vários municípios do Estado e também de Minas Gerais.
 
A cidade está fazendo há 10 dias uma campanha de doações aos atingidos no Sul do Estado e um caminhão da Prefeitura vai fazer o transporte do que foi arrecadado para entregar à Defesa Civil do Estado. Entre as doações estão cestas básicas, materiais de higiene e limpeza, roupas, calçados e alimentos não perecíveis de forma geral.

“Queremos agradecer a todos aqueles que fizeram suas doações, lembrando que na grande enchente de 2013 também fomos  ajudados”, disse o prefeito Neto Barros. Os vários órgãos do município, além da Defesa Civil, ficaram de prontidão nos últimos 10 dias em função das enchentes e vão permanecer em alerta com a previsão de mais chuvas no mês de fevereiro.

A cidade vizinha de Aimorés, ao contrário de Baixo Guandu, teve mais de 1.200 pessoas desalojadas com a enchente dos últimos dias, notadamente nos bairros Mauá Minas e Barra do Manhuaçu. Ontem os moradores começaram a voltar para casa e até o final de semana esta situação já deve estar normalizada.
 
Hoje, o instituto Climatempo fez um alerta dizendo que os estados do Espírito Santo e Minas Gerais poderão ser atingidos novamente por fortes chuvas a partir do dia 5 de fevereiro (próxima quarta-feira), com a possível formação de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que traz umidade da região Norte e amazônica para o Sudeste do Brasil.


O rio Doce, que ameaçava inundar residências na região do Eucalipto, baixou muito desde segunda-feira e não oferece mais riscos

0 Comments

There are no comments yet

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Skip to content